Analisou e não gostou do que viu.

Narcisista não era capaz de ser, mas megalomaníaco, talvez.

Desejava mais ser temido ao invés de amado. Poderoso ao invés de charmoso.

Eis o que se pode ser, quando se nasce com apenas a metade do que queria.

Um anjo que se tornou monstro, pelo querer ser grande.

Alguém que viveu pelo crédito e que precisou desesperadamente de bajulação e de pessoas compradas. Não amava ninguém além de si mesmo. Era extremamente egoísta e achava que estava absolutamente certo de ser assim.

Quando olhava no espelho, não conseguia sorrir. Apenas se olhava, mas não via. Sabia o que era, mas não acreditava. Não se enxergava como eu, nem você, apenas como ele, sempre em terceira pessoa.

Mas como todos, precisou morrer, para de novo renascer. E ser, enfim, quem realmente deveria ser.

A imagem de si mesmo, transformada pelo tempo, mostra agora no espelho, uma outra pessoa, bem melhor do que a anterior. Alguém que já sabe amar, e até sorrir, para o reflexo que hoje salta aos olhos, quando se olha.

Nas curvas do tempo, sempre existe uma hora para a melhora e a mudança total. Basta viver para saber.

Escrito por Paul Sampaio

PAUL SAMPAIO CHEDIAK ALVES é professor, locutor, apresentador de rádio e TV, web designer e diretor fundador da REDE SAMPAIO de Televisão e Sites.