“A palavra “ambidestro” tem origem no Latim:

ambi significa ‘ambos‘ e dext significa ‘certo‘.”

Nosso cérebro possui dois hemisférios que trabalham de forma separada quando já somos adultos.

E eles se completam em suas funções.

Todos nós temos ideias e sentimentos ruins e bons, e possuímos ainda, a capacidade de escolher, entre um e outro, a cada segundo de nossa vida, até o último momento.

Viver sem a dualidade é impossível, e tudo o que nos resta, é a escolha, em cada decisão que tomamos, de fazer isso ou aquilo, certo ou errado, para nós apenas,  e/ou para os outros.

A não ser o bem e o mal, que duelam dentre de nós, em todos os outros casos, precisamos escolher o equilíbrio.

Evidentemente, já sabemos que devemos evitar o mal, o que é errado, em benefício próprio e de nossa espécie, contudo em todos os outros campos da vida humana, seremos sempre melhores e mais eficientes, quando encontramos o equilíbrio de nossos opostos.

Em relação à vida política, não poderia ser diferente.

Logo, esquerda e direita se completam, formam em sua união, o desejo de todos os membros da sociedade, e com certeza, propiciam o melhor governo para qualquer nação.

Feliz o país capaz de promover igualdade social com desenvolvimento econômico para todos.

Tudo seria um paraíso, se não fosse um detalhe.

A maioria esmagadora das pessoas que chegam ao poder, é formada por psicopatas, que em estado de cooperação, manipulam as massas, segundo seus próprios interesses, e sempre fazem deste movimento de manada humana, uma arma para seus propósitos.

Psicopatas são absolutamente egoístas, jamais pensam no coletivo, mesmo que isso seja sua profissão.

E obviamente, com os defeitos da psicopatia, os políticos seduzem sem amor no coração, enganam sem culpa, e sempre machucam sem qualquer piedade. São geralmente incorporados pelos políticos psicopatas mais antigos à facção partidária criminosa dali, que igualmente aos terroristas, não possuem sequer endereço (procure o endereço dos partidos na sua cidade, pelo menos tente).

E assim, se desenvolvem na arte, de usar, enganar e roubar a população, que é a verdadeira geradora de riquezas do país, mas que se vê obrigada a deixá-los administrar todo o dinheiro arrecadado pelo Estado.

Aqueles bem intencionados, podem até sobreviver nesse meio, mas estarão sempre isolados, em minoria e bem mais fracos. Afinal, a política é terreno de psicopatas sem coração, não esqueçam. E isso vale para qualquer cultura ou nação da Terra.

E assim, eles serão os ‘donos’, da mídia, do judiciário, do exército e das polícias, que ‘tratarão’ de mantê-los para sempre no poder.

Um círculo vicioso que leva milênios para interromper, e por isso, percebemos que ainda estamos apenas no início do trabalho de evolução sócio-política de nossas nações.

Desde a Revolução Francesa, os políticos começaram a se dividir em esquerda e direita, em sua maneira de ludibriar seus servidores voluntários, e até hoje, continuam com a mesma prática.

Depois de muitas cabeças cortadas pela guilhotina afiada, esses opostos conseguiram pelo menos, evoluir para era das cabeças pensantes e falantes por algum tempo.

Mas nada ainda parece definitivo.

Desde a Grécia antiga, a política possui essa característica histórica de representar a opinião do povo, mas sempre representaram de fato, os impérios, reis, famílias milenares e milionárias, enfim, as elites do dinheiro e do poder.

Depois de 2018 anos da Era Cristã, ainda estamos nas mãos da ‘nova nobreza’, mesmo nas chamadas democracias mais antigas ou governos comunistas.

Todos os governos da ‘Ditadura do Proletariado’, ditos governos do povo, da massa trabalhadora, foram e são, em sua totalidade, estranhamente desastrosos. Aos invés de igualdade, só promoveram a miséria. E mais uma vez, mesmo no chamado governo do povo, o comunismo, vimos seres humanos psicopatas também, manipulando massas pelo prazer do poder, usando-se da nova ideologia, para exercitar a psicopatia de uma nova elite dirigente, com os mesmos defeitos da nobreza que derrubaram. Afinal, também eram seres humanos, e como a seleção natural tem determinado, chegam ao poder por causa de sua ‘loucura’ por comandar a vida das pessoas, por estar no controle das situações.

Em 2018, a lei do mais forte, ainda é a realidade que impera na civilização humana.

Não existe política pública de esquerda ou direita. Só existe política pública, boa ou ruim.

Não importa de que lado veio a ideia.

As ações na administração, da ‘res’ pública, da ‘coisa’ de todos, do dinheiro do povo, só podem ser de dois tipos, e não são, de esquerda ou direita. Repetindo, as ações da administração pública, podem ser apenas, boas ou ruins. E ponto final.

Quem ainda fala de ideologia em relação à administração dos recursos de uma sociedade, ainda está vivendo na condição patológica da política, ainda não entendeu o que é gestão pública de recursos.

As decisões sobre o que fazer com o dinheiro, encerrando, não devem partir de ideias de políticos, e sim, das necessidades da população que produz aquele dinheiro. E qualquer computador, ou criança imparcial, é capaz de definir prioridades melhor do que políticos.

Quando chegarmos a esse ponto de evolução, veremos todas as ideias de direita e esquerda se encontrando em um mesmo interesse, chamado bem comum, e começaremos então, a enxergar as verdadeiras causas dos interesses de ambos os lados, que são basicamente os mesmos, e que já estão contemplados na ‘Declaração Universal dos Direitos Humanos’, adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 10 de dezembro de 1948.

País nenhum ainda consegue cumprir o que determina os míseros 30 artigos do documento, apenas 30 ‘leis’. Alguns até retrocedem, vez ou outra.

E tudo, porque ainda vivemos a ‘Era Política’ – a idade das cavernas da administração pública mundial.

Mas no futuro, teremos sim, gestores públicos concursados, profissionais de suas áreas,  com auditoria permanente da versão dos recursos, e não, isso – psicopatas totalmente desqualificados, em cargos com todos os poderes possíveis, dando emprego para mais vampiros, também totalmente desqualificados, para administrar o Estado e oferecer serviços públicos para população, escrava de seu tempo.

Um dia, com fé em nosso trabalho, e nossa capacidade de superação, nós humanos, terráqueos, não teremos mais políticos na administração pública, nem psicopatas nomeando juízes e comandando as Forças Armadas de nação alguma.

Um dia, teremos apenas diplomatas como Chefes de Estado.

Apesar de o título do artigo não parecer propício para o teor do texto, acredito que será justamente o sentimento afetuoso do amor * ambidestro, que um dia nos tirará da escuridão e nos levará para um outro nível de sociedade humana, caracterizada pela fartura, paz e prosperidade, e não pela corrupção política sistemática e patológica.

* A palavra “ambidestro” tem origem no Latimambi significa “ambos” e dext significa “certo”.


O Amor é Ambidestro

Anúncios

Escrito por Paul Sampaio

PAUL SAMPAIO CHEDIAK ALVES é professor, locutor, apresentador de rádio e TV, web designer e diretor fundador da REDE SAMPAIO de Televisão e Sites.