Quarta, 8 de agosto

19:09

Yamaguchi Falcão repete irmão Esquiva e vai às semifinais do boxe

Falcão e o irmão Esquiva repetem o feito dos irmãos norte-americanos Leon e Michael Spinks, que ganharam medalha no boxe na Olimpíada de Montreal-1976.

18:18 – 29º

Vôlei de Praia

Brasileiras Juliana e Larissa conquistam o bronze

Dupla venceu de virada as chinesas Xue e Zhang, nesta quarta-feira

Juliana e Larissa conquistaram a medalha de bronze na Olimpíada de LondresJuliana e Larissa conquistaram a medalha de bronze na Olimpíada de Londres (Dominic Ebenbichler/Reuters)

A dupla brasileira Juliana e Larissa virou o jogo sobre as chinesas Xue e Zhang nesta quarta-feira e conquistou o bronze no vôlei de praia feminino dos Jogos, com parciais de 11/21, 21/19 e 15/12. O príncipe Harry acompanhou na arena a vitória do Brasil (durante sua passagem pelo Rio de Janeiro, Harry jogou vôlei de praia no Flamengo vestindo uma camiseta da seleção brasileira de futebol).


O brasileiro foi o último a se apresentar no aparelho na manhã desta segunda-feira
Arthur Zanetti e Yibing Chen: ouro e prata na final das argolas em Londres

Yibing Chen, medalha de ouro nas argolas em Pequim-2008, era o grande favorito para levar o bicampeonato em Londres. Abriu a série com a nota de 15,800, mas acabou superado pelo brasileiro Arthur Zanetti, que recebeu 15,900 para revolta do treinador do chinês: Huang Yubin está pedindo uma investigação sobre os juízes após uma “noite negra na história do esporte”.

Segundo o treinador da equipe chinesa de ginástica, a diferença entre as notas “machucou todos que amam a ginástica”. Ele enviou uma carta à imprensa do país mostrando toda a indignação sobre a final e cobrando uma resposta do Comitê Olímpico Internacional e da Federação Internacional de Ginástica.

Alguns trechos do longo texto enviado por Huang Yubin, em que ele crítica a apresentação de Zanetti e questiona o resultado da final:

– “Eu só posso dizer que essa medalha de ouro não foi ganha honestamente pelo Brasil. Eu só posso dizer que 6 de agosto de 2012 foi uma noite negra para a história da ginástica.”

Reuters

Yibing Chen e Arthur Zanetti
Yibing Chen no pódio: prata amarga para os chineses

– “Quando eu vi que a nota de Yibing Chen foi apenas 15.8, eu senti uma premonição ruim porque era uma nota muito baixa pelo que ele deveria ganhar com aquela rotina. Parecia que se o brasileiro não caísse, o ouro seria dele. É o ouro roubado de Yibing Chen.”

– “A performance de Yibing Chen foi melhor que a que ele fez em 2008. O competidor brasileiro usou habilidades com pouca variação. O passo dado na queda foi um grande erro.”- “Para mim, quando as pessoas forem lembrar dessa competição, lembrarão de duas coisas: uma é a perfeição de Yibing Chen, outra é o brasileiro.”- “Chen Yibing deu ao mundo a mais perfeita performance na vida dele na final, mas não recebeu o campeonato que ele merecia.”- “Eles preferiram dar o mais alto lugar do pódio ao brasileiro com uma performance de falhas óbvias.”- “Isso não machuca só a equipe de ginástica da China, não só Yibing Chen, mas também todos do mundo que amam ginástica.”- “Eu queria perguntar aos julgadores, anos depois: se você pudesse voltar à final, você se sentiria envergonhado? Se você não se sente incomodado, eu só posso dizer que você não é diferente de um ladrão.”

11:33 – 22º

Brasileira Adriana Araújo perde luta e fica com o bronze no boxe

Atleta é derrotada na semifinal pela russa Sofya Ochigava, mas garante medalha histórica

LONDRES – A pugilista Adriana Araújo não conseguiu superar nesta quarta-feira o favoritismo da russa Sofya Ochigava e foi eliminada na semifinal da categoria leve (até 60 quilos) no boxe dos Jogos Olímpicos de Londres. A brasileira fez uma luta equilibrada, mas perdeu por pontos – por 17 a 11. Mas, como a modalidade não tem disputa pela terceira colocação, ela ficou com o bronze.

” O prestígio é tudo, em qualquer área da vida. E a Rússia tem mais prestígio no boxe do que o Brasil, como a gente pode ver.” comentarista do Terra falando sobre o resultado polêmico na luta da brasileira Adriana Araújo

Após medalha histórica, Adriana detona dirigente: ‘Fui humilhada e calei a boca dele’

A boxeadora Adriana Araújo entrou para a história ao conquistar, nesta quarta-feira, a centésima medalha brasileira em Jogos Olímpicos. Depois da derrota para a russa Sofya Ochigava, que garantiu que sua medalha seria a de bronze, Adriana fez um desabafo contra Mauro José da Silva, presidente da Federação Brasileira de Boxe.

“Agradeço a todos os que me ajudaram, e até os que não me ajudaram, como algumas pessoas da Confederação que me jogaram pra baixo, duvidaram de mim. Eles me deram mais motivação. Fui muitas vezes humilhada, ele me disse que eu não tinha condições de me classificar para a Olimpíada e agora estou aqui com a medalha. Calei a boca dele”, disse Adriana.

“O povo brasileiro precisa saber disso. O povo brasileiro não sabe as dificuldades que eu tive nos últimos anos pra chegar até aqui. Muita pressão da federação para defender a seleção, ficar longe da família, a derrota nos Jogos Pan-Americanos. Mostrei para mim mesma que Adriana Araújo é capaz”, afirmou a boxeadora, que recoloca o esporte no pódio olímpico após 44 anos de espera – a única medalha do boxe até os Jogos de Londres era outro bronze, de Servílio de Oliveira, conquistado em 1968.

Apesar das críticas que disse ter recebido por parte do dirigente, Adriana afirmou que não se deixou abalar. “Ele me humilhou me tirando da seleção e disse várias coisas. Mas eu nunca ouvi o que ele falava. Mesmo assim, agora está dada a resposta”, disse.

10:38 – 20º

  • começando a seção política da revista
  • marcação de entrevista com o prefeito e demais candidatos
  • pensei nos vídeos relacionados à produção, assessoria de imprensa … futuro … a proximidade somos nós quem demarcamos

9:20 – 17º

Sujeira tem todo dia. Comer, evacuar também.

É incrível como há coisa pra fazer.

Como pode existir tanta poeira e tantos insetos para tomarem conta do ambiente em meu lugar?

Basta não se mexer, e os deveres vão se acumulando … e o lixo se forma. A desordem, o mau cheiro, e todas as criaturas que vivem do abandono. E muitas são elas. E como é fácil para alguns de nós, se habituar a uma situação assim. Principalmente se for um homem, que foi mimado quando criança, que já teve mãe, esposas, domésticas, mas que agora, vive sozinho.

É impressionante para os outros que vêm o quadro. Ninguém acredita que alguém possa viver assim, e ainda ter bons pensamentos e uma boa produção. Nem eu.

Como pode não ter depressão?

-Mas quem disse que eu não tenho?

Uma coisa é o jeito que eu gostaria que minha casa estivesse. Outra coisa é o fato de que sou eu que tenho que limpar tudo. Lavar e passar roupa. Lavar louça, chão, paredes … pensar tudo isso dá tanta preguiça, pela falta do costume, que muitas vezes, não dá vontade nem de tomar banho. Dá um certo desânimo, e às vezes, até vergonha de ser a única coisa limpa do espaço. Dá vontade de dormir para não ver onde estamos.

E assim, a civilização humana começa a tomar outra forma para nós. Começamos a nos sentir alienígenas nesse mundo tão organizado.

Nossos gostos não mudam. Continuamos querendo viver em ordem. Mas não conseguimos.

E nessa indisciplina toda, a vida continua, inclusive para nós. Mas as cores são diferentes. Nossos olhos já estão vendo em preto e branco a uma hora dessas.

Pessoas assim, precisam da ajuda de anjos para mudar. Não são capazes desse trabalho sozinhas, afinal, não têm mais a única coisa necessária para essa transformação – a vontade.

E muito antes de ela voltar a existir, as coisas já terão que ter mudado inteiramente. Pela simples força do hábito, que deve ser trazido por um anjo como eu disse. Pode ser ele de carne e osso, ou só espírito. Mas só ele, ou ela é claro, pode tornar esse caos em um universo habitável novamente.

E não importa qual a forma desse anjo, ele atenderá sempre pelo mesmo nome. A saber – autoestima.

Anúncios