Domingo, 5 de agosto

Usain Bolt quebrou o recorde olímpico e ficou com a medalha de ouro nos 100 m rasos. Foto: Getty Images

ULISSES NETOMARINA NOVAESDireto de Londres

Bolt crava 9s63, bate recorde olímpico e leva bi nos 100 m

Com novo recorde olímpico, Usain Bolt conquistou pela segunda vez a medalha de ouro nos 100 m rasos. Neste domingo, o jamaicano venceu adversários como Yohan Blake, Asafa Powell e Tyson Gay para repetir Pequim 2008, se consagrando nos Jogos Olímpicos de Londres.

. Foto:

Scheidt fecha Londres com 100% de aproveitamento em Olimpíadas

A medalha de bronze de Robert Scheidt nos Jogos Olímpicos de Londres fez com que o atleta quebrasse dois recordes em uma só vez. Ele se tornou o maior medalhista olímpico brasileiro – ao lado de Torben Grael – e também é o velejador que mais subiu no pódio na modalidade (junto com Grael e com o britânico Ben Ainsle, medalha de ouro da classe Finn neste domingo). Além disso, soma 100% de aproveitamento em Olimpíadas, com cinco medalhas em cinco Jogos disputados.

Nascido no dia 15 de abril de 1973, o paulista Robert Scheidt iniciou sua história na vela aos nove anos. A participação em Olimpíada em 1996, quando conquistou o ouro em Atlanta na classe Laser. Quatro anos depois, ele ficou com a prata em Sydney. Em Atenas 2004, o segundo ouro fez com que o esportista igualasse a marca de Grael, Marcelo Ferreira (vela), Adhemar Ferreira da Silva (atletismo) Giovane (vôlei) e Mauricio (vôlei), como os únicos bicampeões olímpicos do País.

Um ano depois, o atleta resolveu mudar de categoria e passou a atuar na classe Star, em parceria com Bruno Prada. O sucesso continuou e a dupla foi medalhista de prata em Pequim 2008.

A quarta medalha fez com que Scheidt se igualasse ao nadador Gustavo Borges como segundo maior medalhista olímpico do País. Além dos recordes em Olimpíadas, o atleta ainda soma 11 títulos mundiais, sendo oito na classe Laser e três na Star.

Aos 39 anos, casado com a lituana Gintare Scheidt, também atleta da vela, com quem tem um filho, o velejador disse logo após a conquista do bronze em Londres que deseja participar, no mínimo, de mais uma Olimpíada. Provavelmente, ele terá que mudar de categoria em 2016, já que a classe Star está fora do cronograma olímpico dos Jogos do Rio de Janeiro. Independentemente da categoria a ser disputada e da cor da medalha, Robert Scheidt pretende seguir em busca de novos recordes.

Em sua quinta categoria, Prada alcança 2ª medalha olímpica

Bruno Prada, paulista de 41 anos, passou por quatro categorias desde que começou a carreira de velejador. Seu melhor resultado havia sido a medalha de bronze no Pan-Americano de 1999, quando disputou a competição na classe Finn. Antes, ele havia concorrido nas classes Laser, Snipe e Optimist.

Em 2005, iniciou-se a parceira com Robert Scheidt. Em sete anos, a dupla conquistou uma medalha de prata e um bronze em Jogos Olímpicos, além de três medalhas de ouro e uma de prata em campeonatos mundiais.

Scheidt (dir.), se tornou o maior medalhista olímpico brasileiro e atleta que mais vezes subiu no pódio na vela. Foto: AP

Após relaxar contra Angola, Brasil cita conversa contra sustos nas quartas

ALLAN FARINA
Direto de Londres

A Seleção Brasileira feminina de handebol já tem o melhor desempenho na história das Olimpíadas. Porém, na manhã deste domingo, após fechar a primeira fase dos Jogos Olímpicos de Londres com uma vitória diante de Angola, as atletas e até mesmo o técnico Morten Soubak afirmaram que, mesmo com o triunfo sobre as africanas, a Seleção não jogou bem e uma conversa deve acontecer antes das quartas de final.

Soubak irá orientar equipe para não repetir erros. Foto: AFPSoubak irá orientar equipe para não repetir erros

Maiores medalhistas brasileiros

Anúncios