Terça, 29 de abril

5:36 – 18º

A tela em branco e o sonho, que muitas vezes nem está formado ainda.

Há horas que tenho medo dela. Muito medo.

Porém, têm momentos que sinto minha vida resumida à vontade de tê-la.

Serve qualquer coisa. Não precisa ser necessariamente um teclado, uma folha de ofício, um caderno.

Pode ser um guardanapo, papel higiênico, ou como várias vezes fiz, uma folha de jornal ou revista, onde

há sempre uma parte em branco esperando nossa marca.

E lá vão as palavras … como se, sem pensar estivéssemos.

Palavras correndo pela parte vazia das superfícies possíveis … correndo, como se tivessem vida

própria. E têm. E como têm.

Tanto têm, que sempre me pego escrevendo, sem eu querer ou poder. Afinal, levam vidas para uma

pessoa aprender a viver dos próprios escritos. Mas ainda assim, tiveram horas que até o trabalho que

enche a barriga, teve que esperar as palavras saírem.

Não posso mentir que sinto um prazer enorme nesse ofício. Mas só queria poder Viver disso.

Por isso, dá pra alguém me ler aí, prá ajudar … kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Que Deus abençoe a cada um de vocês que me perdoarem pela finalização desse desabafo.

Mas, uma das coisas mais legais em escrever, é poder rir do que nós mesmos podemos produzir.

E quem sabe um dia, não sai alguma coisa tão boa, que possa até, mudar o rumo de uma pessoa sequer,

para um mundo ainda melhor.

Profissão de fé ? São muitas … mas em todas elas, sempre passo por aqui: pela tela em branco por onde

correm as palavras. Assim seja … quem sabe ainda haja no Planeta, lugar para mais um escritor. Paul.

7:37 – 19º

  • mais um dia de captações no Christino
  • contatar o Paiva
  • fazer a entrevista da Bete
  • prancheta: destaques, blogs, decupagens, scanear material da Bete, edição do material e revisão

8:40

  • já entendí …
  • o projeto ‘Documentário Ensino’ para comercialização, já tá pronto
  • só dentro da cabeça ainda, mas já acabou
  • hora de execução

 

Anúncios