Educador

Boas memórias tenho das salas de aula, e muitas foram elas.

Século XX, década de 70, mãe solteira, trabalhava fora e eu,

Começava meu caminho pelo  universo das letras, logo no maternal.

Lembro da ansiedade antes do início, e do chororô do primeiro dia.

Escola, um monte de gente estranha, um novo mundo que dá medo em qualquer um.

Mas rápido me adaptei e me dei bem.

Mestres, amigos e a saudável competição de memorização de conteúdo.

Vim à Terra com certos privilégios, acho.

Nunca foi difícil prá mim entender e guardar conhecimento.

Dispendiava esforço, é claro, mas até isso trazia prazer ao desafio.

E assim, foi indo, até o momento das primeiras atividades de criação.

Foi ali então, que as coisas realmente tomaram forma.

Havia enfim, encontrado minha maior aptidão: o exercício da imaginação.

Nada na vida vem sem custo na escolha.

Estimular tal área me traria emoções singulares.

Apesar de me sentir bem entre meus pares,

Acabei também, por encontrar a solidão,

Espaço preferido dos seres que saltam da realidade prá ficção.

E não é que tudo valeu muito a pena ?

Quem diria que num certo momento do caminho eu viraria o professor ?

O professor é aquele que antes de mais nada, já foi aluno.

Já teve dificuldade e facilidade para aprender alguma coisa,

Que já teve colegas que sabiam mais e outros que sabiam menos.

Já fez bagunça e passou vergonha por uma atitude impensada.

Que já se divertiu nas festas fora da aula,

Já namorou coleguinhas,

E já fez muita prova.

É … só que agora, quem está à prova é ele: o professor.

Será que soube aproveitar tudo o que viu para ser bom ?

Justo. Imparcial. Paciente. Carinhoso. Disponível. Sábio ?

Principalmente, será que tem vocação para ser um mestre ?

Um segundo pai, uma segunda mãe ?

Porque é exatamente isso que ele é.

Um reformulador de pensamentos.

Um transformador de personalidades.

Aquele que deve trazer o outro ao eixo.

Nem sempre consigo o reconhecimento do discípulo.

Muitas vezes, o ensinamento dói.

Melhor ainda, é quando enxergo no olhos marejados desse, a alegria do agradecimento.Mas quão gratificante é, ver que pude contribuir com o crescimento de meu semelhante.

Poderia ser várias coisas nessa vida.

E na verdade sou.

Só que, se me perguntam …

Surgi do coração mais do que uma resposta. Vem à tona minha profissão de fé.

E assim digo: que minha maior satisfação e sentimento de realização,

O que sei fazer com mais amor.

É ser Educador.

                      Paul Sampaio

 Sexta-feira – 12/02/2010 -11:29

Anúncios